10.12.2012

2.ª Edição do Curso 'Life Rail' em Portugal

 

Concebida com o objectivo de divulgar a realidade e as potencialidades das soluções intermodais de base ferroviária para o transporte de mercadorias, a 2ª Edição do Life Rail em Portugal, que teve lugar nos dias 3, 4 e 5 de Dezembro, caracterizou-se por um ambicioso programa teórico e prático, dando também aos seus 25 participantes a oportunidade de conhecer in loco a operação nos terminais ferro-portuários.

A realização do curso, da iniciativa da Escola Europeia de Short Sea Shipping, envolveu, para além da CP Carga, a APTMCD (Associação de Promoção do Transporte Marítimo de Curta Distância), a CP e, o IPTM (Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos), a Escola Náutica, a AGEPOR (Associação dos Agentes de Navegação de Portugal) e as Administrações Portuárias de Sines, Aveiro e Setúbal.

Eduardo Rodés, Director da Escola Europeia de Short Sea Shipping, sublinha a qualidade e o êxito desta formação, só possível graças ao empenho e contributo de todos os envolvidos: “O curso foi um sucesso e uma fonte de grande satisfação para todos os participantes, alunos e professores. Para a Escola é sempre gratificante fazer cursos em Portugal. Valorizamos o envolvimento de todos os organizadores, a vontade e o interesse dos participantes e a sua atitude positiva no cumprimento dos objectivos propostos, fazendo deste Curso uma experiência única. Todos os intervenientes ajudaram a ter uma memória duradoura dos dias passados em Portugal. O transporte de mercadorias por via ferroviária continua a crescer e estamos ansiosos para contribuir para o seu desenvolvimento futuro”.

Nabo Martins, responsável pelo transporte de contentores e tráfego internacional da CP Carga, e um dos formadores do curso, sublinha também a importância da realização deste tipo de formação focada no futuro da intermodalidade, em que “a ferrovia é altamente reconhecida para a cadeia logística, registando a CP Carga uma actividade crescente na ligação com os portos, que presentemente já se encontra acima dos 60%”.

Voltar a notícias